Radiestesia

A radiestesia corresponde à capacidade de pessoas ou animais perceberem a radiação, geralmente com a ajuda de instrumentos amplificadores, como o pêndulo ou hastes.

Ajuda na descoberta de lençóis freáticos, na descoberta de minerais ou em novas aplicações na saúde (como o biomagnetismo), que utilizam a radiestesia para identificar patologias em pacientes e determinar o tratamento mais adequado.

Existem evidências de seu uso desde os tempos antigos. Uma das  referências é uma pintura rupestre no Saara. Outras referências antigas são encontradas no Egito, onde foram encontrados bastões e pêndulos, Israel, China ou Babilônia.

São usados alguns instrumentos que permitem a amplificação da radiação externa, como as hastes metálicas, amplamente utilizadas na busca de minerais e água subterrânea, uma vez que são pouco afetadas pelo vento de campo aberto. São duas hastes iguais, geralmente de metal, em forma de “L”. O braço mais curto (cerca de 10 cm) tem a função de manivela. O braço mais longo (cerca de 30 cm) é o que dá a resposta.

São mantidas em tensão com as duas mãos, de modo que sua flexibilidade proporcione um equilíbrio instável que reaja facilmente a estímulos externos. De sua posição neutra, o equilíbrio é alterado para apontar para cima ou para baixo na direção do mineral ou objeto que está sendo procurado. O código mais comum indica que quando estão abertos a energia flui corretamente. Por exemplo, radiestesistas normalmente localizam lençóis freáticos quando as hastes se cruzam.

Pêndulo

Um pêndulo é qualquer coisa pequena presa à mão por um elemento de ligação flexível, como uma corrente ou corda.

Os pesos podem ter vários formatos, mas o bom funcionamento do pêndulo exige que ele seja um peso simétrico em torno de seu eixo vertical e não muito longo em relação a este eixo.

Seu funcionamento requer segurar a corda entre os dedos indicador e polegar a partir de uma posição neutra, que pode ser ‘em repouso’ ou ‘oscilante’.

A resposta pode ser uma torção (no sentido horário ou anti-horário) e uma mudança no eixo de oscilação.

De todos os instrumentos o pêndulo é o mais usado.

Outra definição para a Radiestesia é o estudo dos fenômenos dos campos de força de origem elétrica, magnética e gravídica da natureza que influenciando o corpo humano causa certos reflexos neuromusculares que podem ser amplificados por instrumentos como o pêndulo ou a haste.

A origem do nome radiestesia vem da palavra latina radius, que significa radiação e pela palavra grega aisthesis, referente à sensibilidade. Radiestesia é a técnica que lida com a detecção de todo o espectro de radiações emitidas, tanto por corpos de qualquer natureza, como por várias formas de energia.

A radiestesia torna mais fácil tornar consciente o que é inconsciente, ou seja, torna racional o que ainda não é racional, mas que foi detectado, intuído ou descoberto pelo sexto sentido, percepções extra-sensoriais e outras funções do hemisfério cerebral direito e que a ciência começou a explicar nos últimos anos.

Está baseada na habilidade do corpo humano em perceber diferentes tipos de alterações energéticas no meio em que vive. Essas variações de campos como magnético e elétrico são capturadas por biossensores que distribuímos por todo o corpo o a informação é conduzida para o sistema nervoso central, e do hipotálamo surge uma reação neurológica. A resposta varia de pessoa a pessoa, mas em todos os casos correspondem a uma variação no tônus ​​muscular que produz um movimento involuntário da haste. Este dispositivo simplesmente serviria para amplificar essas pequenas reações neuromusculares onde o verdadeiro instrumento é o corpo e seu delicado mecanismo de calibração é o sistema nervoso central.

Como tudo isso funciona?

A Terra é um planeta magnético onde fricção, eletricidade e descargas eletromagnéticas são geradas constantemente. Basta prestar atenção ao movimento implacável das placas tectônicas para ter uma noção. Na década de 1950, na Alemanha, o Dr. Ernst Hartmann descobriu o que hoje, em sua homenagem, é chamada de rede Hartmann: uma rede formada por linhas de transmissão que emanam em colunas de 20 a 30 centímetros de largura, a um metro e meia distância, aproximadamente , uma da outra e que percorrem o globo de Norte a Sul e de Leste a Oeste.

Todos nós, onde quer que estejamos, estamos expostos a esta energia. Embora não a vejamos. Também não vemos os sinais dos satélites, celulares ou rádio, a força da gravidade ou da radioatividade mas eles estão lá, sempre.

Seus efeitos

Quando uma linha horizontal colide com uma linha vertical, são gerados íons positivos nocivos. Nestes cruzamentos, chamados de “geopatógenos”, encontramos uma intensidade de radiação que consegue enfraquecer as células e influenciar nosso estado de saúde física ou mental.

Estamos no caminho desses cruzamentos de íons e energias telúricas. O ruim, é a exposição prolongada que pode ocorrer, por exemplo, no seu quarto ou no seu escritório, causando dores de cabeça recorrentes, aborrecimento, cansaço, nervosismo. Ficamos sem compreender. Talvez, a travessia passe mesmo ao lado da sua cadeira ou da sua cama. Quantas vezes você se viu instalado em um lugar onde sentia que havia uma vibração ruim?

Alguns benefícios:

Harmonização e limpeza do ambiente.

Desbloqueio de padrões energéticos mal qualificados no corpo físico e mental, gerando bem-estar e maior qualidade nas relações interpessoais.

Publicado por naturopatasdobrasil

Comunidade Brasileira de Naturopatia. Notícias, tendências, divulgações científicas, saúde, bem-estar, beleza, sustentabilidade e ativismo social.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: