Úlcera varicosa

Uma ferida, um paciente, um cuidado especial. Case de sucesso na Naturopatia

Trabalho científico apresentado em congresso pela Diretora Científica da Comunidade Brasileira de Naturopatia (@chris_buarque).

Em consulta, eu percebo a pessoa através dos pilares da Naturopatia:

  • Medicina indiana
  • Medicina chinesa
  • Medicina de Hipócrates

É através dessas 3 bases, que se sustenta a Naturopatia, cujo significado é: o caminho natural para a sua saúde. Ou seja, é um caminho natural único. Cada um, de acordo com suas necessidades, precisa de um tratamento específico. Este é um dos muitos cases de sucesso com a aplicação desses princípios fundamentais.

Há um número cada vez mais crescente de pessoas no mundo todo com enfermidades venosas crônicas.

Para se ter uma ideia, dados levantados em 2016 na Espanha, apontavam 46 milhões de habitantes. E destes, 15.000.000 pessoas tinham IVC. Cerca de 30% da população.

Deste total, 4.500.000 pessoas apresentavam úlceras venosas.

A úlcera é a fase final da enfermidade venosa crônica. Uma lesão de pele aberta, extremamente comum no mundo todo.

Na Alemanha verificou-se que 2,5% das faltas de trabalho eram decorrentes da úlcera venosa. Num total de 4.800.000 jornadas de trabalho perdidas. Uma média anual de 225 milhões de euros perdidos (Wienert V. epidemiology of lig ulcers).

EUA: 600 dólares a cada 12 semanas por paciente com ulcera crônica.

Na Inglaterra cerca de 1.600 euros e na França 900 euros a cada 6 meses.

O tempo médio de cura da úlcera é de 8 meses. Alguns casos podem levar 1 ano para fechar.

Como é a qualidade de vida desses pacientes? Muito comprometida. Deteriorada. Assim, é muito importante para toda a sociedade, pois consome recursos humanos e investimentos do sistema público.

Trata-se de um problema sanitário de primeira magnitude.

Um dos principais tratamentos recomendados é a terapia compressiva.

Definição IVC:

  • Incapacidade do sistema venoso para devolver de forma eficaz o sangue das extremidades inferiores ao coração.
  • Qualquer anormalidade morfológica ou funcional do sistema venoso de longa evolução que se manifesta mediante sinais e sintomas que requerem estudo e tratamento.

Insuficiência venosa crônica: EVC avançada onde aparecem as úlceras venosas.

As estatísticas apontam como sendo mais frequentes nas mulheres do que nos homens.

Existem dois sistemas vasculares:

Arterial e venoso. E um é totalmente diferente do outro. O arterial entrega o sangue com determinada pressão.

No venoso, a pressão é menor. Então tem que subir com essa pressão menor até o coração. E encontra a ação da gravidade. Mas o organismo tem uma inteligência para que isso ocorra.

A bomba muscular ou bomba periférica é como um motor. É o principal mecanismo que garante o retorno do sangue. Por isso a importância do movimento.

Válvulas venosas: fazem o fracionamento da pressão.

Acreditava-se apenas num componente genético e que a dor era apenas porque as veias se dilatavam. Um problema inflamatório que produz os sintomas.

As varizes são as manifestações mais frequentes da EVC. Muito mais que as úlceras. Isso ocorre porque a válvula entre a safena e a coxo femoral vai se dilatando e aparecem as varizes visíveis.

Fatores de risco para a IVC:

  • Genética
  • Gravidez
  • Sedentarismo
  • Excesso de calor
  • Hormônios
  • Há sem dúvida a genética numa expressão importante. Mas praticamente 40% das mulheres no período gestacional vão desenvolver a IVC.

Toda a hipertensão venosa crônica produz uma série de sintomas: síndrome ortostática.

O paciente refere:

  • Peso nas pernas
  • Ardor
  • Parestesia
  • Câimbras noturnas
  • Coceira
  • Dor mal definida

Classificação CEAP da IVC

Classificação clínica usada para qualquer doença circulatória

ClasseSintomas
Classe 0Sem sinais visíveis
classe 1telangiectasias ou varizes reticulares
classe 2varizes
classe 3edema
classe 4sinais dérmicos
classe 5úlcera cicatrizada
classe 6úlcera ativa
Quando se chegar à classe 5 ou 6 não se regride ao estado 3 ou 4. Será sempre estado de atenção.

Classificação segundo:

  • À etiologia: congênita, primária, secundária
  • Anatomia: superficial, profunda, perfurantes
  • Patofisiologia: refluxo ou obstrução

A progressão é evitável.

Objetivo terapêutico:

  • Melhorar os sintomas
  • Prevenir e evitar complicações
  • Melhorar a qualidade de vida do paciente

Tratamentos considerados:

  • Conselhos higieno dietéticos
  • Tratamento farmacológico
  • Tratamento cirúrgico

Tratamento da IVC

  • Tratamento da hipertensão venosa: terapia compressiva- meias elásticas.
  • Tratamento do dano endotelial e da inflamação: flebotômicos e venotônicos.

Para tratar úlceras:

  • Safenectomia
  • Fleboextração
  • Técnicas endovenosas
  • Escleroterapia
  • Embolização
  • Técnica chiva (método cirúrgico)

Medidas preventivas:

  • Evitar permanecer de pé muito tempo
  • Elevar as extremidades inferiores
  • Perder peso
  • Hidratação e cuidados da pele
  • Exercícios regulares
  • Meias elásticas (em todas as fases da enfermidade. Maior enfermidade, menor compressão).

Gênese da enfermidade venosa:

Edema maior que 25cm H20- hipertensão. Esse edema vai comprimindo as veias capilares. Então há líquido nos interstícios e transtornos tróficos e que, em sua fase inicial pode ser reversível, porém começam a aparecer transtornos irreversíveis.

Formam-se manchas como tatuagens com deposição de hemosiderina.

O que é feito quando a úlcera surge?

  • Terapia compressiva para aumentar a vascularização.
  • Correto manejo tópico do local da úlcera
  • Terapias coadjuvantes: fármacos, enxertos de pele
  • Correto conhecimento de sua enfermidade para que o paciente se trate melhor. Aderência total do paciente.
  • Recomendação para prevenção: meias elásticas e métodos de tratamento naturopáticos que beneficiem o sistema circulatório e a cicatrização de feridas.

Ao contrário do que se imagina, a natureza do corpo é estar em equilíbrio. Possuímos a capacidade de auto sanação, mas não acreditamos.

Há muitos casos documentados pela medicina complementar onde pessoas curam a si mesmas de forma mais natural sem tratamentos invasivos.

É o que pode proporcionar um trabalho muito bem estruturado com estudo especializado das terapias que integram a Naturopatia.

Publicado por naturopatasdobrasil

Comunidade Brasileira de Naturopatia. Notícias, tendências, divulgações científicas, saúde, bem-estar, beleza, sustentabilidade e ativismo social.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: