Você tem ou já teve depressão?

A serotonina é um neurotransmissor diretamente relacionado com o controle das emoções e do humor, embora também desempenhe outras tarefas:

Regula o apetite causando sensação de saciedade. Participa no controle a temperatura corporal. Regula o apetite sexual. Controle da atividade motora, percepção e função cognitiva.

Junto com outros neurotransmissores – dopamina e norepinefrina – participa dos mecanismos que regem a ansiedade, o medo, a angústia e a agressividade. Ainda participa na secreção de alguns hormônios, como a melatonina, uma proteína cujas muitas funções incluem a regulação do ritmo circadiano e do sono. Desempenha um papel importante na formação e manutenção da estrutura óssea. Está envolvida no funcionamento do sistema vascular.

Muitas pessoas passaram a fazer uso da fluoxetina e inibidores similares da recaptação de serotonina no início desse século. Virou quase condição de status a frase: “Eu tomo fluoxetina”.

A fluoxetina apenas inibe a recaptação de serotonina.

Ou seja, ela precisa ter sido produzida antes.

A produção de serotonina deve ser feita pelo neurônio. Sua degranulação deverá ocorrer na fenda sináptica e aí sim, após a degranulação a fluoxetina irá atuar. Para produzir serotonina, nosso neurônio precisa de L- triptofano um AA essencial. Além disso, temos a necessidade de enzimas dependentes de ferro, outro elemento essencial.

Como cofatores nas reações, a fisiologia para fazer a produção de serotonina necessita de ácido fólico e piridoxina, ambos essenciais.

Aí sim, a serotonina produzida é armazenada numa vesícula que será degradada a partir do estímulo no neurônio anterior que traduz em uma migração de vesículas até a fenda sináptica onde já há liberação de serotonina que então desencadeará a reação de estímulo do próximo neurônio. Neste momento ocorre a ação da serotonina. A migração e degranulação de vesículas pré-sinápticas ricas em serotonina será feita com mecanismos sinalizantes dependentes de cálcio.

A entrada de cálcio na célula pressupõe a presença de um hormônio calciotrófico, no caso a vit. D.

Estudos mostram que pacientes com hipovitaminose D têm sintomas comportamentais importantes. Com sintomas semelhantes à depressão.

O entendimento mínimo da bioquímica leva ao caminho para se compreender a importância da homeostase. Um corpo em homeostase é um corpo que responde melhor ao tratamento medicamentoso.

Sem um investimento em vitaminas, minerais, antioxidantes e uma melhor alimentação, você vai apenas, ao longo dos anos mudar a marca e a dosagem dos antidepressivos, reduzir a imunidade, porque eles deprimem o sistema de defesa e ainda entrar na lista de possibilidades de suicídios.

Para produzir serotonina o corpo precisa de uma substância chamada triptofano que não pode produzir por si mesmo, mas pode ser obtido a partir de alimentos e suplementos específicos:

Abaixo alguns alimentos que podem ajudar

Ovo
Cereais
Banana
Melancia
Legumes
Nozes
Espinafre
Salmão
Mel
Mamão
Grão-de-bico

Compartilhem esse texto para que muitas pessoas possam sair dessa condição.

 

Publicado por naturopatasdobrasil

Comunidade Brasileira de Naturopatia. Notícias, tendências, divulgações científicas, saúde, bem-estar, beleza, sustentabilidade e ativismo social.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: