Pós-Covid-19 longa ou crônica

São condições de saúde pós-Covid-19 que se arrastam por muito tempo, mesmo após a cura da doença. São diferentes sintomas em diferentes combinações por períodos de tempo também variáveis.

A Covid-19 longa pode apresentar uma série de sintomas novos diferentes daqueles que ocorrem quando o paciente esta infectado na forma grave ou mais branda. Vão desde:

Falta de ar

Cansaço ou fadiga

Sintomas que pioram após atividades físicas ou mentais

Dificuldade de pensamento ou concentração (às vezes chamada de “névoa mental”)

Tosse

Dor no peito ou estômago

Dor de cabeça

Coração rápido ou muito acelerado (palpitação)

Dor musculares ou articular

Sensação de formigamento

Diarréia

Dificuldade em dormir

Febre

Tontura (vertigem) ao levantar

Irritação na pele

Mudanças de humor

Perturbações do paladar ou cheiro

Mudanças no ciclo menstrual

Danos inflamatórios gerados em muitos órgãos durante a infecção, podem apresentar doenças autoimunes por um longo período.

Condições autoimunes ocorrem quando o sistema imunológico ataca células saudáveis ​​em seu corpo por engano, causando inflamação dolorosa ou danos aos tecidos nas partes afetadas do corpo.

Casos de síndrome inflamatória multissistêmica (SIM) durante o desenvolvimento de uma infecção por COVID-19 ou imediatamente após, principalmente em crianças, têm sido documentados. O SIM pode causar condições pós-COVID-19 se a pessoa continuar a ter efeitos em vários órgãos ou outros sintomas.

COVID-19 pós internação:

Hospitalizações e doenças pulmonares graves, incluindo COVID-19, podem causar efeitos na saúde, como fraqueza e exaustão graves durante o período de recuperação.

Os efeitos da hospitalização também podem incluir a síndrome de terapia pós-intensiva (PICS), que se refere aos efeitos sobre a saúde que surgem quando uma pessoa está em uma unidade de terapia intensiva (UTI) e podem perdurar mesmo após a alta. São situações que podem incluir fraqueza severa, problemas de raciocínio e discernimento e transtorno de estresse pós-traumático (PTSD), envolvendo reações de longo prazo a um evento muito estressante.

Alguns dos sintomas que podem aparecer após a hospitalização são semelhantes a certos sintomas que as pessoas com Covid-19 inicialmente leve ou sem sintomas podem apresentar muitas semanas após serem infectadas com Covid-19. Provavelmente, é difícil determinar se eles se devem aos efeitos da hospitalização, aos efeitos de longo prazo do vírus ou a uma combinação de ambos. Essas condições também podem ser complicadas por outros efeitos relacionados à pandemia Covid-19, incluindo efeitos na saúde mental do isolamento, impactos negativos da situação econômica e falta de acesso a serviços de saúde para controlar as ocorrências da doença. Esses fatores afetaram as pessoas que tiveram Covid-19 e as que não foram infectadas.

Oito em cada 10 pacientes com COVID-19 tiveram pelo menos um sintoma persistente de 14 dias a 16 semanas após a infecção aguda, embora alguns efeitos ainda ocorram entre os primeiro infectados até hoje. Esses são resultados de uma meta análise publicados na medRxiv.

Neste trabalho, foram analisados quase 19.000 estudos que apontaram 55 efeitos persistentes após a infecção aguda. Os dados foram retirados dos registros de 47.910 pessoas com idades entre 17 e 87 que participaram de 15 estudos que avaliaram sintomas ou parâmetros laboratoriais de longo prazo. Cada estudo teve um mínimo de 100 pacientes. Nove estudos eram da Grã-Bretanha ou da Europa, três eram dos Estados Unidos e os demais eram da Ásia e da Austrália. Seis estudos focaram apenas em pessoas hospitalizadas por COVID-19; os outros incluíram casos leves, moderados e graves.

Um estudo publicado no The Lancet, mostrou que 76% dos pacientes que necessitaram de hospitalização relataram pelo menos um sintoma 6 meses depois, e a proporção foi maior em mulheres. Os sintomas mais comuns foram fadiga ou fraqueza muscular e dificuldade em dormir. Além disso, 23% relataram ansiedade ou depressão durante o acompanhamento.

Os coronavírus anteriores, SARS e MERS, compartilham características clínicas com Covid-19, incluindo sintomas persistentes. Pessoas que sobreviveram à SARS mostraram anormalidades pulmonares meses após a infecção, e 28% das pessoas tiveram disfunção pulmonar até dois anos depois.

Com relação aos sintomas psicológicos, altos níveis de depressão, ansiedade e transtorno de estresse pós-traumático de longo prazo também foram relatados em pacientes previamente infectados com outros coronavírus. Para sobreviventes de MERS, 33% das pessoas com fibrose pulmonar também foram atendidas, bem como estresse pós-traumático de longo prazo e transtornos de ansiedade.

Os efeitos de longo prazo mais comumente identificados de Covid-19 foram fadiga (58%), dor de cabeça (44%), transtorno de déficit de atenção (27%), queda de cabelo (25%), dispneia (24%).) ou anosmia ( 24%).

Outros sintomas persistentes foram pulmonares (tosse, aperto no peito, diminuição da capacidade de difusão pulmonar, apneia do sono, fibrose pulmonar), cardiovasculares (arritmias, miocardite), neurológicos ou psiquiátricos (perda de memória, depressão, ansiedade, distúrbios do sono). Durante o acompanhamento, 34% dos pacientes apresentaram uma radiografia de tórax anormal. Também foram observados marcadores sanguíneos elevados que podem ser usados ​​como um prognóstico para a doença.

A queda de cabelo é encontrada em 25% dos casos após Covid-19 e pode ser considerada eflúvio telógeno, definida como queda de cabelo difusa após um grande estressor ou infecção sistêmica por coronavírus. É causada por transições foliculares prematuras da fase de crescimento ativo para a fase de repouso, dura cerca de 3 meses, mas pode causar desgaste emocional e desencadear doenças neurológicas.

A perda do paladar ou do olfato é transitória durante a fase aguda do COVID-19, mas há registros de ocorrências persistentes em aproximadamente 20% dos casos e pode durar no mínimo 4 meses. Nestes casos, realizamos um treinamento olfativo que regenera os neurônios olfatórios danificados por covid-19 colaborando numa recuperação mais rápida.

O vírus atravessa a barreira hematoencefálica, com uma neuroinvasão que pode afetar o cérebro e deixar sequelas neurológicas. Além da entrada direta do coronavírus no sistema nervoso, seja pelo nervo olfatório, seja por sua circulação pelo sistema sanguíneo, existem outros problemas neurológicos decorrentes da inflamação e hipercoagulação que ocorrem no desenvolvimento da doença. Já foram observadas deficiências neurocognitivas associadas a doenças virais que causam disfunções no sistema imunológico e metabólico, como ocorre em covid-19. Pessoas que sofrem de problemas neuropsiquiátricos têm um alto risco de mortalidade por Covid-19, mas também existem fatores que podem ser a resposta para problemas neuropsiquiátricos subsequentes.

O diagnóstico precoce de problemas psiquiátricos é muito importante para que as pessoas possam receber tratamento e serem consideradas grupos de risco nesta doença.

Para a reabilitação dos pacientes com Covid-19 longa, são feitos manejos estratégicos de tratamentos naturais, para lidar com os efeitos posteriores à infecção. A duração dos sintomas persistentes é monitorada e o tratamento multidisciplinar, em muitos casos, com recomendação para terapia clínica com Psicólogo.

Faz-se necessário evitar que esses sintomas pós-COVID possam desencadear outras doenças graves num futuro próximo.

Publicado por naturopatasdobrasil

Comunidade Brasileira de Naturopatia. Notícias, tendências, divulgações científicas, saúde, bem-estar, beleza, sustentabilidade e ativismo social.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: