O seu sistema imunológico

O sistema imunológico é nossa defesa natural contra diversos tipos de microorganismos e agentes agressores em geral.

A resposta imune é ativada como forma de proteção à invasão percebida.

Uma ação conjunta entre células, tecidos e orgãos é orquestrada pelos glóbulos brancos (leucócitos), que são produzidos ou armazenados em vários locais do corpo, incluindo o timo, o baço e a medula óssea. Por esse motivo, esses órgãos são chamados de “órgãos linfáticos”. Os leucócitos também são armazenados em massas de tecido linfático, principalmente na forma de linfonodos, que se encontram por todo o corpo.

No corpo, os leucócitos circulam de e para órgãos e nódulos através de vasos linfáticos e vasos sanguíneos. Dessa forma, o sistema imunológico funciona para monitorar o corpo em busca dos agentes causadores de doenças ou transtornos.

Temos dois tipos básicos de leucócitos: Os fagócitos, que são células que destroem organismos invasores. E os linfócitos, que são células que permitem ao corpo lembrar e reconhecer invasores anteriores e ajudá-lo a destruí-los. Os fagócitos incluem várias células diferentes. O tipo mais comum são os neutrófilos, que atacam principalmente as bactérias. Quando há suspeita de infecção bacteriana, pode ser  solicitado um exame de sangue para ver se a contagem de neutrófilos aumentou devido à infecção. Os outros tipos de fagócitos têm funções específicas para garantir que o corpo reaja de forma adequada a um determinado tipo de invasor.

Os dois tipos de linfócitos são linfócitos B e linfócitos T. Eles se originam na medula óssea, ficam lá e se tornam células B, ou vão para o timo. Os linfócitos T e B têm funções diferentes : Os linfócitos B funcionam como o sistema de inteligência militar do corpo, localizando o alvo e enviando defesas para capturá-lo. As células T lembram soldados: elas destroem invasores identificados pelo sistema de inteligência.

Funcionamento:

Quando antígenos (substâncias estranhas que invadem o corpo) são detectados, vários tipos de células trabalham juntas para reconhecê-los e responder à ameaça. Essas células induzem os linfócitos B a produzir anticorpos, proteínas especializadas que capturam antígenos específicos.

Uma vez produzidos, esses anticorpos permanecem no organismo; portanto, se o mesmo antígeno voltar, o sistema imunológico já terá os anticorpos para atacá-lo.

Embora os anticorpos possam reconhecer um antígeno e prendê-lo, eles precisam de ajuda para destruí-lo. Essa é a função das células T, que fazem parte do sistema que destrói antígenos que os anticorpos identificaram ou as células infectadas ou modificadas. (Na verdade, algumas células T são chamadas de “células assassinas”.) As células T também ajudam a sinalizar outras células (como os fagócitos) para fazer seu trabalho.

Imunidade

Os humanos têm três tipos de imunidade: inata, adquirida e passiva.

Imunidade inata

Todas as pessoas nascem com imunidade inata (ou natural), que é uma forma de proteção geral.

A imunidade inata também inclui as barreiras externas do corpo, como a pele e as membranas mucosas (por exemplo, aquelas que revestem o nariz, a garganta e o trato gastrointestinal), que são a primeira linha de defesa para evitar que doenças entrem no corpo. Se essa barreira defensiva externa for quebrada (como um corte), a pele tenta curar a ferida rapidamente e as células imunológicas especiais da pele atacam os germes invasores.

Imunidade adquirida

O segundo tipo de proteção é a imunidade adquirida (ou ativa), que se desenvolve ao longo de nossas vidas. A imunidade adquirida compreende a atividade dos linfócitos e se desenvolve à medida que as pessoas são expostas ou imunizadas contra doenças por meio da vacinação.

Imunidade passiva

A imunidade passiva é “emprestada” de outra fonte e tem vida curta. Por exemplo, os anticorpos do leite materno imunizam temporariamente o bebê contra doenças às quais a mãe foi exposta. Isso pode ajudar a proteger o bebê de infecções durante a primeira infância.

Não existem dois sistemas imunológicos idênticos. Algumas pessoas parecem isentas de infecção, enquanto outras parecem adoecer constantemente. Com o passar dos anos, o sistema imunológico das pessoas entra em contato com cada vez mais germes e adquire imunidade contra eles. Por essa razão, adultos e adolescentes tendem a pegar menos resfriados do que crianças: seus corpos aprenderam a reconhecer e atacar imediatamente muitos dos vírus que causam resfriados.

Sob o efeito do stress contínuo:

Quando preocupações e tensões são vivenciadas permanentemente, o organismo pode reagir de forma inadequada, podendo desenvolver alterações das mais diversas no sistema imunológico.

O corpo humano está naturalmente preparado para reagir a certos níveis de estresse, liberando adrenalina e cortisol, hormônios que nos permitem estar alertas e nos proteger de situações ameaçadoras ou perigosas. E, embora isso seja algo normal e esperado, o problema reside quando o estresse dura com o tempo e se torna crônico, e pode afetar nosso sistema imunológico e nossa saúde.

Instagram: @imunidadelv

Embora as ameaças de hoje não sejam mais de possíveis ataques de predadores ou povos inimigos como eram para nossos ancestrais, existem outros tipos de situações que nos mantêm em alerta e que podem ser a causa de um estado permanente de forte tensão. Os longos períodos de quarentena e todas as incertezas que estamos experimentando como resultado da Covid-19 são um exemplo disso. Portanto, é necessário estarmos atentos a determinados sinais e aprendermos a administrar o estresse de maneira adequada, caso contrário nosso sistema imunológico pode apresentar uma alteração em sua função e, por consequência, sofrer infecções recorrentes.

Foi demonstrado que o estresse psicológico crônico diminui o número de células B, que são aquelas que produzem anticorpos, bem como a funcionalidade e a atividade das células NK – Natural Killer (sigla em inglês). Ambos fazem parte do grupo dos linfócitos e têm função primária na defesa do organismo contra infecções bacterianas, virais e fungicas. O problema é que, diante de situações ameaçadoras, essa função pode ser afetada pela liberação exagerada e sustentada de adrenalina e cortisol.

Fatores de transferência

https://imunidadelv.com.br/plus/

Fatores de transferência são moléculas minúsculas que transferem informações imunológicas de uma entidade para outra, educando o sistema imunológico. Gera o fornecimento de suporte necessário para que o organismo lembre de como exercer sua função imunológica.

Essas pequenas moléculas contêm apenas a essência da mensagem imunológica e são feitas de várias combinações de aminoácidos. Eles não são vitaminas ou minerais, nem são ervas. Trata-se de uma mistura especial de aminoácidos combinados por biotecnologia para procedimentos de filtragem e ultra filtragem e assim extrair o melhor das substâncias naturais usadas (provenientes da gema de ovo de galinha e do colostro bovino).

O FT tem uma importante função estimuladora do sistema imune promovendo a maturação e diferenciação dos timócitos em linfócitos T.

Publicado por naturopatasdobrasil

Comunidade Brasileira de Naturopatia. Notícias, tendências, divulgações científicas, saúde, bem-estar, beleza, sustentabilidade e ativismo social.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: