Vamos falar da maconha medicinal

Comecemos pela diferenciação de termos:

Cannabis descreve produtos de Cannabis em geral.

A maconha se refere especificamente a produtos de Cannabis que são feitos de flores secas, folhas, caules e sementes da planta.

Cannabis sativa L. (Cannabinaceae), também conhecida como maconha ou cânhamo, pertence a um grupo de arbustos herbáceos de 1 a 2 m de altura e é amplamente distribuída em áreas temperadas e tropicais. Três espécies são geralmente reconhecidas: Cannabis sativa, Cannabis indica e Cannabis ruderalis (a última pode ser incluída em C. sativa), e todas podem ser tratadas como subespécies de uma única espécie, C. sativa.

Após repetirmos muitas vezes o termos Cannabis, temos um pouco da História: Os relatos históricos mais antigos do uso de derivados da planta datam do Império Chinês (2727 aC). Na Índia, as referências mais antigas datam de 2.000 a.C. O cultivo dessas plantas provavelmente se espalhou da Ásia Central para o Ocidente. O consumo de cânhamo como substância psicoativa era muito comum em algumas seitas islâmicas. Chegou ao continente americano pelas mãos dos espanhóis na primeira metade do século XVII. Seu uso se popularizou no mundo ocidental na década de 1960, entre os jovens da época. Desde aquela data, seu consumo vem aumentando em quase todos os países. Estima-se que várias preparações de C. sativa, incluindo maconha, haxixe, charas, dagga e bhang, sejam consumidas por 200–300 milhões de pessoas em todo o mundo, sendo a droga ilícita mais popular do século 21, de acordo com os Estados Unidos. (Escritório Nacional sobre Drogas e Crime).

É aqui, nesse ponto, que abrimos “um parêntenses”: uso recreativo e terapêutico da maconha.

A Comunidade Brasileira de Naturopatia tem especial interesse no uso terapêutico. Visto que há grandes possibilidades na qualidade de vida para o tratamento de várias doenças. A celeuma para uso recreativo pode ficar para outro instante, dada à sua complexidade e relação com condições educacionais de um povo, o que no caso do Brasil, deixa muito a desejar, não só em aspecto governamental, mas como real interesse sociocultural. Educação requer grandes esforços e não são de mão única.

Voltemos então ao grau terapêutico.

A Cannabis tem frutos ricos em óleos e outros fitonutrientes, e são frequentemente usados ​​como alimento humano ou animal, bem como por suas fibras, para alimentos tradicionais medicina e fins espirituais como drogas terapêuticas e alucinógenas. É uma das drogas mais consumidas em todo o mundo, junto com as drogas legais como o tabaco, o álcool e a cafeína. As plantas contêm mais de 545 compostos conhecidos. Além dos fitocanabinóides (que são C21 terpenofenólicos, ou C22 para as formas carboxiladas, compostos com efeitos fisiológicos e muitas vezes psicotogênicos, possuindo porções monoterpeno e alquilresorcinol em suas moléculas), eles incluem alcanos, açúcares, compostos nitrogenados (como alcalóides espermidínicos ou muscarina), flavonóides, fenóis não canabinoides, fenilpropanóides, esteróides, ácidos graxos, aproximadamente 140 terpenos diferentes que são predominantemente monoterpenos, como β-mirceno, α- e β-pineno, α-terpinoleno, mas também sesquiterpenos incluindo β-cariofileno, di- e triterpenos, bem como vários outros compostos comuns.

Dos mais de 100 canabinóides identificados até agora, o mais potente em termos de atividade psicoativa é o Trans-Δ-9-tetrahidrocanabinol (THC). Existem quatro estereoisômeros de THC, mas apenas o isômero trans ocorre naturalmente. Duas substâncias estruturalmente relacionadas (ácido Δ9-tetrahidrocanabinol-2-óico e ácido Δ9-tetrahidrocanabinol-4-óico – THCA) também estão geralmente presentes, às vezes em grandes quantidades. O calor da combustão durante a fumagem converte parcialmente o THCA em THC. Um isômero que também é ativo (Δ8-THC) ocorre em quantidades muito menores. Outros compostos relacionados incluem o canabidiol (CBD) e o canabinol (CBN), este último particularmente em amostras envelhecidas, e apresentando efeitos farmacológicos diferentes dos atribuídos ao THC. Todos esses compostos são conhecidos coletivamente como canabinóides e, ao contrário de muitas outras substâncias psicoativas, não são bases nitrogenadas. Canabinóides individuais estão sendo desenvolvidos e identificados em cepas de Cannabis, e seus efeitos sobre os sintomas de doenças sofridas pelos pacientes estão sendo estudados. Os principais tipos de canabinóides naturais pertencem às famílias do tipo canabigerol, canabicromene, canabidiol, canabinodiol, tetrahidrocanabinol, canabinol, canabitriol, canabielsoína, isocanabinóides, canabinodiol, canabicitrano e canabicromanona

Metabolismo secundário:

O metabolismo secundário das plantas desempenha um papel importante na sua sobrevivência em seu ambiente. Os metabólitos secundários são capazes de atrair polinizadores, de defender as plantas contra predadores e doenças, e por isso têm sido explorados para fins biofarmacêuticos. Os metabólitos secundários também estão presentes em grandes quantidades nas chamadas plantas alimentícias, conferindo-lhes sabor, cor e aroma. Além disso, vários metabólitos secundários de plantas, como alcalóides, antocianinas, flavonóides, quinonas, lignanas, esteróides e terpenóides encontraram aplicações comerciais, nomeadamente como drogas, corantes, sabor, fragrância e inseticidas.

A Cannabis sativa é dióica: existem plantas masculinas e femininas separadas. O THC está amplamente concentrado em torno das partes de floração da planta feminina. As folhas e as plantas masculinas têm menos THC, enquanto os caules e as sementes não contêm quase nenhum. As plantas têm folhas compostas com até 11 lobos serrilhados separados. A Cannabis herbácea importada ocorre como blocos comprimidos de matéria vegetal castanha seca compreendendo as copas das flores, folhas, caules e sementes da Cannabis sativa. A resina é geralmente produzida em blocos de 250 g, muitos dos quais carregam uma impressão de marca. O óleo da planta é um líquido escuro e viscoso.

Embora as propriedades medicinais das espécies de Cannabis sejam conhecidas há séculos, tem crescido nos últimos anos o interesse pelos seus principais metabólitos secundários ativos como alternativas terapêuticas para diversas patologias. Este uso potencial tem sido uma revolução mundial em relação à saúde pública, produção, uso e venda de Cannabis, e tem levado inclusive a mudanças na legislação em alguns países. Os avanços científicos e as preocupações da comunidade científica têm permitido um melhor entendimento dos derivados da planta como opções farmacológicas em diversas condições, como estimulação do apetite, tratamento da dor, patologias cutâneas, terapia anticonvulsivante, doenças neurodegenerativas e doenças infecciosas. No entanto, existem controvérsias quanto às implicações legais e éticas de seu uso e vias de administração, também no que diz respeito às consequências adversas à saúde e às mortes atribuídas ao consumo de maconha, e estas representam algumas das complexidades associadas ao uso desses compostos como drogas terapêuticas. Os medicamentos à base de Cannabis exercem seus efeitos principalmente por meio da ativação dos receptores canabinóides (CB1 e CB2). Mais de 100 ensaios clínicos controlados de canabinóides ou preparações de plantas inteiras para várias indicações foram conduzidos desde 1975. Os resultados desses ensaios levaram à aprovação de medicamentos à base de Cannabis (dronabinol, nabilona e um extrato de cannabis [THC: CBD = 1: 1]) em vários países. Na Alemanha, um extrato da planta foi aprovado em 2011 para o tratamento de espasticidade refratária moderada a grave na esclerose múltipla. É comumente usado “off label” para o tratamento de anorexia, náusea e dor neuropática. Os pacientes também podem solicitar permissão do governo para comprar flores de Cannabis medicinais para auto tratamento sob supervisão médica. Os efeitos colaterais mais comuns dos canabinoides são cansaço e tonturas (em mais de 10% dos pacientes), efeitos psicológicos e boca seca. A tolerância a esses efeitos colaterais quase sempre se desenvolve em um curto espaço de tempo. Os sintomas de abstinência dificilmente são um problema no ambiente terapêutico

Uso para enxaqueca e fibromialgia:

A enxaqueca tem várias relações com a função endocanabinóide. A anandamida (AEA) potencializa o 5-HT1A e inibe os receptores 5-HT2A, apoiando a eficácia terapêutica no tratamento da enxaqueca aguda e preventiva. Os canabinóides também demonstram efeitos bloqueadores da dopamina e anti-inflamatórios. AEA é tonicamente ativo na substância cinzenta periaquedutal, um gerador de enxaqueca. O THC modula a neurotransmissão glutamatérgica via receptores NMDA. A fibromialgia agora é concebida como um estado de sensibilização central com hiperalgesia secundária. Os canabinoides demonstraram de forma semelhante a capacidade de bloquear os mecanismos espinhais, periféricos e gastrointestinais que promovem “a dor” na dor de cabeça, fibromialgia, SII e distúrbios relacionados. A utilidade clínica passada e potencial dos medicamentos à base de Cannabis em seu tratamento é discutida, assim como outras sugestões para investigação experimental de CECD por meio de exame de LCR e neuroimagem.

Nos EUA:

A maconha medicinal é legal nos EUA?

A lei federal dos EUA proíbe o uso de Cannabis sativa da planta inteira ou seus derivados para qualquer finalidade. O CBD derivado da planta do cânhamo (<0,3% de THC) tem consumo legal de acordo com a legislação federal. Muitos estados permitem o uso de THC para fins médicos. A lei federal que regulamenta a maconha substitui as leis estaduais. Por causa disso, as pessoas ainda podem ser presas e acusadas de porte em estados onde a maconha para uso medicinal é legal.

Quando a maconha medicinal é apropriada?

Estudos relatam que a Cannabis medicinal tem benefícios possíveis para várias condições. As leis estaduais variam nas condições que qualificam as pessoas para o tratamento com maconha medicinal. Ao pensar em maconha para uso medicinal, verifique os regulamentos do seu país. Você pode se qualificar para o tratamento com maconha medicinal se atender a certos requisitos e tiver uma condição de qualificação, como:

Doença de Alzheimer

Esclerose lateral amiotrófica (ALS)

HIV / AIDS

Câncer

Doença de crohn

Epilepsia e convulsões

Glaucoma

Esclerose múltipla e espasmos musculares

Dor severa e crônica

Náusea severa

Se você estiver experimentando sintomas desconfortáveis ​​ou efeitos colaterais do tratamento médico, especialmente dor e náusea, converse com seu médico sobre todas as suas opções antes de experimentar a maconha. Os médicos podem considerar a maconha medicinal como uma opção se outros tratamentos não ajudarem.

A maconha medicinal é segura?

Mais estudos são necessários para responder a esta pergunta, mas os possíveis efeitos colaterais da maconha medicinal podem incluir:

Aumento da frequência cardíaca

Tontura

Concentração e memória prejudicadas

Tempos de reação mais lentos

Interações medicamentosas negativas

Aumento do risco de ataque cardíaco e derrame

Aumento do apetite

Potencial para vício

Síndrome de vômito cíclico

Alucinações ou doença mental

Sintomas de abstinência

A maconha medicinal está disponível como um medicamento de prescrição?

A Food and Drug Administration (FDA) dos EUA aprovou uma droga derivada da Cannabis e três drogas relacionadas à Cannabis: dronabinol (Marinol, Syndros), nabilona (Cesamet) e canabidiol (Epidiolex). Dronabinol e nabilona podem ser prescritos para o tratamento de náuseas e vômitos causados ​​pela quimioterapia e para o tratamento da anorexia associada à perda de peso em pessoas com AIDS. O canabidiol pode ser prescrito para o tratamento de formas graves de epilepsia infantil.

Apresentações:

A maconha medicinal vem em uma variedade de formas, incluindo:

Óleo para vaporização

Comprimido

Aplicações tópicas

Solução oral

Folhas secas e botões

Como e onde você compra essas substâncias legalmente, varia entre os estados que permitem o uso medicinal da maconha. Depois de ter o produto, você mesmo o administra. A frequência com que você o usa depende da forma e dos sintomas. O alívio dos sintomas e os efeitos colaterais também variam de acordo com o tipo que você está usando. Os efeitos mais rápidos ocorrem com a inalação da forma vaporizada. O início mais lento ocorre com a forma de pílula.

Parte da maconha medicinal é formulada para fornecer alívio dos sintomas sem os efeitos inebriantes e de alteração do humor associados ao uso recreativo da maconha.

Fontes consultadas:

https://www.mdpi.com/2305-6320/6/1/31/htm

https://www.emcdda.europa.eu/publications/drug-profiles/cannabis_en

Publicado por naturopatasdobrasil

Comunidade Brasileira de Naturopatia. Notícias, tendências, divulgações científicas, saúde, bem-estar, beleza, sustentabilidade e ativismo social.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: