Aloe vera: a popular babosa.

Se você já abriu a folha da Aloe vera, percebeu um tecido viscoso que armazena água, e que torna as folhas grossas. Este tecido cheio de água é o “gel” que as pessoas associam aos produtos fabricados a partir da planta. Essas folhas verdes e grosas, podem crescer cerca de 12–19 polegadas (30–50 centímetros) de comprimento. O gel contém a maioria dos compostos bioativos benéficos da planta, incluindo vitaminas, minerais, aminoácidos e antioxidantes.

Aloe barbadensis é uma das ervas medicinais mais utilizadas no mundo desde a antiguidade devido às suas valiosas propriedades farmacológicas. As espécies de A. vera são amplamente distribuídas e cultivadas em todo o mundo, crescendo em clima semiárido de regiões tropicais e subtropicais, sendo considerada um bom depositário de fitoquímicos com uma ampla gama de atividades biológicas, como anticâncer, antiparasitário, antidiabético, anti-inflamatório, antiartrítico, antiparasitário, antitumoral, antioxidante, quimio-preventivo, hepatoprotetor e gastroprotetor.

Tem caule curto, pertence ao gênero aloe, e o nome A. Vera deriva da palavra árabe “Alloeh” que significa “substância amarga brilhante”, enquanto “Vera” em latim, significa “verdadeiro”. É uma planta perene, xerófita, suculenta e de cor verde ervilha.

A presença de antioxidantes

Os antioxidantes são importantes para a saúde. E o gel de Aloe vera contém antioxidantes poderosos pertencentes a uma grande família de substâncias conhecidas como polifenóis. Esses polifenóis, junto com vários outros compostos da Aloe vera, ajudam a inibir o crescimento de certas bactérias que podem causar infecções em humanos. Falamos de uma planta mundialmente conhecida por suas propriedades antibacterianas, antivirais e antissépticas. Por isso, pode ajudar a curar feridas e a tratar problemas de pele. A Farmacopeia americana descreve as preparações de Aloe vera como um protetor da pele desde 1810. De modo geral, é popularmente usada como medicamento tópico, esfregando-o na pele. Na verdade, o gel tem uma longa história de uso no tratamento de feridas, especialmente queimaduras, incluindo queimaduras de sol. Estudos sugerem que é um tratamento tópico eficaz para queimaduras de primeiro e segundo graus, com redução do tempo de cicatrização em cerca de 9 dias. Também mostra-se eficaz contra vermelhidão, coceira e infecções. E há referências científicas que mostram um papel relevante no combate à placa gengival, quando comparada aos enxaguatórios bucais com Clorhexidina.

Aloe vera é eficaz em matar a bactéria Streptococcus mutans, produtora de placas na boca, bem como a levedura Candida albicans.

Outras referências abordam a ação no tratamento da constipação intestinal. Desta vez, é o látex, não o gel, que traz os benefícios. O látex é um resíduo pegajoso amarelo presente logo abaixo da casca da folha. O principal composto responsável por esse efeito é chamado de Aloin, ou Barbaloin, que possui efeitos laxantes. Como em todos os fitoterápicos, o uso frequente, ou como única medida preventiva ou de controle, causa preocupação. Por esse motivo, o látex de Aloe não está disponível nos EUA como medicamento sem prescrição desde 2002. Existem algumas evidências preliminares que sugerem que o gel tópico de Aloe vera pode retardar o envelhecimento da pele.

Uso na atenção primária à saúde:

A. vera é uma boa fonte de compostos bioativos. Sempre relatada por suas inúmeras aplicações terapêuticas. Além desses potenciais, a planta também tem sido utilizada como conservante de culturas e alimentos e também como suplemento alimentar funcional devido à presença de alto teor de carboidratos, vitaminas e diversas moléculas antioxidantes Várias atividades biológicas e farmacológicas da A. vera, como antioxidante, anti-inflamatória, imunomoduladora, antimicrobiana, antiviral, antidiabética, hepatoprotetora, anticâncer, e respostas de proteção da pele e cicatrização de feridas, foram atribuídas à presença de muitos compostos ativos, incluindo antraquinonas, antronas, cromonas, flavonóides, aminoácidos, lipídios, carboidratos, vitaminas e minerais.

A babosa, nome popular, é comumente usada na atenção primária à saúde de seres humanos sendo amplamente utilizada em vários sistemas tradicionais de medicina em todo o mundo. A investigação sistemática e científica sobre A. vera como planta medicinal tem chamado  atenção considerável, e muitos laboratórios estão envolvidos no isolamento, caracterização e avaliação de fito constituintes para suas aplicações nutracêuticas e farmacêuticas. O interesse está nas enzimas, saponinas, minerais, açúcares, antraquinonas, vitaminas, lignina, ácidos graxos e aminoácidos presentes na babosa. A planta é usada para preparar géis de proteção / cuidado da pele, principalmente para calmantes, hidratantes e feridas. A seiva aquosa espessa das plantas é adicionada como ingrediente chave em muitos produtos de beleza. As folhas das plantas são usadas para gerar aroma, bebidas, loção para a pele, cosméticos ou pomadas para pequenas queimaduras. Contém ácidos graxos importantes, principalmente esteróides, como colesterol, campesterol, β-sitosterol e lupeol. Aloin e emodin agem como analgésicos, antibacterianos e antivirais enquanto o lupeol mostra propriedades antissépticas e analgésicas. Ele também contém auxinas e hormônios giberelina que ajudam na cicatrização de feridas e têm ação anti-inflamatória; saponinas, que são as substâncias com sabão, exibem limpeza e propriedades antissépticas

Uso em Nutracêuticos

O suco A. vera é comercializado para apoiar a saúde do sistema digestivo. O uso excessivo está relacionado à toxicidade com relação dose dependente para tais efeitos tóxicos.

Barcroft A, Myskja A. Aloe vera: Nature’s Silent Healer. USA: BAAM; 2003

Zheng GH, Yang L, Chen HY, Chu JF, Mei L. Aloe vera for prevention and treatment of infusion phlebitis. Cochrane Database Syst Rev 2014;6:CD009162

Eshun K, He Q. Aloe vera: A valuable ingredient for the food, pharmaceutical and cosmetic industries-a review. Crit Rev Food Sci Nutr 2004;44:91-6.

Fontes:

Aloe vera: Science and Safety | NCCIH. Available from: http://www.Nccih.nih.gov. [Last retrieved on 2014 Jan 31].

Moniruzzaman M, Rokeya B, Ahmed S, Bhowmik A, Khalil MI, Gan SH, et al. In vitro antioxidant effects of Aloe barbadensis miller extracts and the potential role of these extracts as antidiabetic and antilipidemic agents on streptozotocin-induced Type 2 diabetic model rats. Molecules 2012;17:12851-67

Shakila Riaz Department of Chemistry, Lahore Garrison University, Lahore, Pakistan.

Shahzada Khurram Syed Department of Basic Medical Sciences, University of Management and Technology, Lahore, Pakistan.

Rubi Anwar Department of Chemistry, University of Management and Technology, Lahore, Pakistan.

Current Bioactive Compounds, Volume 17, Number 5, 2021, pp. 2-23(22)

Publicado por naturopatasdobrasil

Comunidade Brasileira de Naturopatia. Notícias, tendências, divulgações científicas, saúde, bem-estar, beleza, sustentabilidade e ativismo social.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: