Covid-19 causa alterações no cérebro mesmo em casos mais leves

Em um grande estudo publicado na revista Nature em 7 de março de 2022, uma equipe de pesquisadores do Reino Unido investigou alterações cerebrais em pessoas de 51 a 81 anos que sofreram COVID-19. Este trabalho fornece novos insights importantes sobre o impacto do COVID-19 no cérebro humano.

Há fortes evidências de anormalidades relacionadas ao cérebro no COVID-19. Foram investigadas alterações cerebrais em 785 participantes do Reino Unido (51 a 81 anos) fotografados duas vezes, incluindo 401 casos que testaram positivo para infecção por SARS-CoV-2 entre seus dois exames, com 141 dias em média separando o diagnóstico e o segundo exame e 384 controles. A disponibilidade de dados de imagem pré-infecção reduz a probabilidade de fatores de risco pré-existentes serem mal interpretados como efeitos da doença. Foram identificados efeitos longitudinais significativos ao comparar os dois grupos, incluindo: maior redução na espessura da substância cinzenta e contraste tecidual no córtex orbitofrontal e giro parahipocampal, maiores mudanças nos marcadores de dano tecidual em regiões funcionalmente conectadas ao córtex olfativo primário, e maior redução no tamanho global do cérebro. Os participantes infectados também mostraram, em média, maior declínio cognitivo entre os dois pontos de tempo. É importante ressaltar que esses efeitos longitudinais cognitivos e de imagem ainda foram observados após a exclusão dos 15 casos que foram hospitalizados. Os resultados de imagens cerebrais principalmente límbicas podem ser as marcas in vivo de uma disseminação degenerativa da doença por vias olfativas, de eventos neuroinflamatórios ou da perda de entrada sensorial devido à anosmia (perda do olfato). Se esse impacto deletério pode ser parcialmente revertido, ou se esses efeitos persistirão a longo prazo, ainda precisa ser investigado com acompanhamento adicional. Isso foi motivado em grande parte por novos trabalhos convincentes do Reino Unido que investigam o impacto do COVID-19 no cérebro humano. No estudo, os pesquisadores se basearam em um banco de dados chamado UK Biobank, que contém dados de imagens cerebrais de mais de 45.000 pessoas no Reino Unido desde 2014. Isso significa que havia dados de linha de base e imagens cerebrais de todas essas pessoas antes da pandemia. A equipe de pesquisa comparou pessoas que experimentaram COVID-19 com participantes que não tiveram, combinando cuidadosamente os grupos com base em idade, sexo, data inicial do teste e local do estudo, bem como fatores de risco comuns para doenças, como variáveis ​​de saúde e status socioeconômico . Foram encontradas diferenças marcantes na massa cinzenta – ou nos neurônios que processam informações no cérebro – entre aqueles que foram infectados com COVID-19 e aqueles que não foram. Especificamente, a espessura do tecido da substância cinzenta nas regiões do cérebro conhecidas como lobos frontais e temporais foi reduzida no grupo COVID-19, diferindo dos padrões típicos observados nas pessoas que não tiveram uma infecção por COVID-19. Na população em geral, é normal ver alguma mudança no volume ou espessura da massa cinzenta ao longo do tempo à medida que as pessoas envelhecem. Mas as mudanças foram mais extensas do que o normal naqueles que foram infectados com COVID-19. Curiosamente, quando os pesquisadores separaram os indivíduos que tinham doença grave o suficiente para exigir hospitalização, os resultados foram os mesmos daqueles que sofreram COVID-19 mais leve. Ou seja, pessoas que foram infectadas com COVID-19 apresentaram perda de volume cerebral mesmo quando a doença não era grave o suficiente para exigir hospitalização. Por fim, os pesquisadores também investigaram mudanças no desempenho em tarefas cognitivas e descobriram que aqueles que contraíram o COVID-19 eram mais lentos no processamento de informações do que aqueles que não o fizeram. Essa capacidade de processamento foi correlacionada com o volume em uma região do cérebro conhecida como cerebelo, indicando uma ligação entre o volume do tecido cerebral e o desempenho cognitivo naqueles com COVID-19. Este estudo é particularmente valioso e perspicaz por causa de seus grandes tamanhos de amostra antes e depois da doença nas mesmas pessoas, bem como sua correspondência cuidadosa com pessoas que não tiveram COVID-19.

O que significam essas mudanças no volume cerebral?

No início da pandemia, um dos relatos mais comuns dos infectados com COVID-19 foi a perda do paladar e do olfato. Surpreendentemente, as regiões do cérebro que os pesquisadores do Reino Unido descobriram serem afetadas pelo COVID-19 estão todas ligadas ao bulbo olfativo, uma estrutura próxima à frente do cérebro que transmite sinais sobre cheiros do nariz para outras regiões do cérebro. O bulbo olfativo tem conexões com regiões do lobo temporal. Os pesquisadores costumam falar sobre o lobo temporal no contexto do envelhecimento e da doença de Alzheimer, porque é onde está localizado o hipocampo. É provável que o hipocampo desempenhe um papel fundamental no envelhecimento, devido ao seu envolvimento na memória e nos processos cognitivos. O olfato também é importante para a pesquisa de Alzheimer, pois alguns dados sugerem que aqueles em risco para a doença têm um olfato reduzido. Embora seja muito cedo para tirar conclusões sobre os impactos a longo prazo dos efeitos relacionados à COVID no olfato, investigar possíveis conexões entre as alterações cerebrais e a memória relacionadas à COVID-19 é de grande interesse – principalmente devido às regiões envolvidas e sua importância na memória e na doença de Alzheimer.

Olhando para frente

Essas novas descobertas trazem questões importantes, mas não respondidas: o que essas mudanças cerebrais após o COVID-19 significam para o processo e o ritmo do envelhecimento? Além disso, o cérebro se recupera da infecção viral ao longo do tempo e até que ponto? Sabe-se que à medida que as pessoas envelhecem, o cérebro pensa e processa as informações de forma diferente. Além disso, observamos mudanças ao longo do tempo em como os corpos das pessoas se movem e como as pessoas aprendem novas habilidades motoras. Várias décadas de trabalho demonstraram que os idosos têm mais dificuldade em processar e manipular informações – como atualizar uma lista de compras mental – mas normalmente mantêm seu conhecimento de fatos e vocabulário. Com relação às habilidades motoras, sabemos que os idosos ainda aprendem, mas o fazem mais lentamente do que os jovens. Quando se trata de estrutura cerebral, normalmente vemos uma diminuição no tamanho do cérebro em adultos com mais de 65 anos. Essa diminuição não está localizada apenas em uma área. As diferenças podem ser vistas em muitas regiões do cérebro. Há também tipicamente um aumento no líquido cefalorraquidiano que preenche o espaço devido à perda de tecido cerebral. Além disso, a substância branca, o isolamento dos axônios – longos cabos que transportam impulsos elétricos entre as células nervosas – também está menos intacto em adultos mais velhos.

A expectativa de vida aumentou nas últimas décadas. O objetivo é que todos tenham uma vida longa e saudável, mas mesmo no melhor cenário em que se envelhece sem doenças ou deficiências, a idade adulta traz mudanças na forma como pensamos e nos movemos. Aprender como todas essas peças do quebra-cabeça se encaixam nos ajudará a desvendar os mistérios do envelhecimento para que possamos ajudar a melhorar a qualidade de vida e a função dos indivíduos idosos. E agora, no contexto do COVID-19, isso nos ajudará a entender o grau em que o cérebro também pode se recuperar após a doença.

Acredite: o menor dos nossos problemas, é o uso correto de máscara de proteção individual.

Fonte de referência:

http://www.nature.com

Publicado por naturopatasdobrasil

Comunidade Brasileira de Naturopatia. Notícias, tendências, divulgações científicas, saúde, bem-estar, beleza, sustentabilidade e ativismo social.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: